Home / Comunicação

Press Releases

Home / Comunicação

Press Releases

Alento no Luto: 63% das crianças nascidas mortas já possuem nome no Rio de Janeiro

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Norma nacional publicada neste mês de novembro padroniza a possibilidade de os pais darem nome ao natimorto em Cartórios de todo o Brasil

 

O nascimento de uma criança é sempre um dos momentos mais aguardados pelos pais e que traz maior felicidade a uma família. Mas não é sempre que este acontecimento é só alegria. Por ano, cerca de duas mil crianças nascem mortas no Rio de Janeiro, sendo juridicamente chamadas de natimortas.

 

Uma norma recém-publicada pela Corregedoria Nacional de Justiça, órgão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), permite agora que os pais destes recém-nascidos possam ao menos dar um nome a esta criança, padronizando nacionalmente um procedimento já regulado em Cartórios de Registro Civil de alguns Estados e que possibilita que 63,1% dos natimortos no Rio de Janeiro tenham direito a um nome, amenizando um pouco a dor de quem tanto esperou pelo nascimento de um filho(a) e tinha tudo pronto para nomeá-lo(a).

 

De acordo com o Provimento nº 151/23, passa a ser “direito dos pais atribuir, se quiserem, nome ao natimorto”, sendo também possível àqueles que tiveram filhos natimortos realizarem esta inclusão em um registro já feito anteriormente, quando a inclusão do nome não era permitida por norma estadual ou nacional.

 

A possibilidade de inclusão do nome em crianças natimortas teve início em 2018 no Estado, quando o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro atendeu a uma proposta da Defensoria Pública do Estado. Desde então, o avanço nesta regulamentação, que agora é nacional, tem permitido que cada vez mais pais façam a opção de incluir o nome no registro de um natimorto. Em 2018, quando a norma foi publicada no Estado, o total de crianças com nome correspondia a 9,4% dos natimortos, passando a 26,3% em 2019, 34% em 2020, 41% em 2021, 50% em 2022, até chegar a 63% em 2023. A expectativa é que a normativa nacional eleve este número a casa de 80%, segundo a Arpen/RJ.

 

“É mais um avanço jurídico no sentido de garantir o direito ao nome, além das hipóteses já previstas em lei. Dar aos genitores o direito de prestarem essa última homenagem a aquele filho que já era tão amado e planejado, mesmo este não tendo juridicamente nascido, visto que já foi expelido sem vida do útero materno Neste caso, o nome não representa personalidade ao nascituro, mas dá aos pais a sensação de ter cumprido seu papel e ter dado dignidade àquele que foi sepultado”, comenta a presidente da Arpen/RJ, Alessandra Lapoente.

 

É importante frisar que o registro de natimorto ocorre apenas quando uma criança já nasce morta. Caso a mãe de a luz a um recém-nascido com vida e depois ele venha a falecer são feitos dois registros, o de nascimento e o de óbito, e em ambos o nome da criança é obrigatoriamente registrado. O registro de nascimento, de óbito e de natimorto são gratuitos à toda a população no Brasil.

 

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin