Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Senado vota PL que proíbe guarda de criança a pais investigados por violência familiar

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

 

Proposta modifica os procedimentos relativos à alienação parental no Estatuto da Criança e do Adolescente

 

 

O Plenário pode votar na terça-feira (29) um projeto de lei que muda as regras sobre alienação parental. O texto proíbe o juiz de conceder guarda compartilhada ao pai ou à mãe investigados ou processados por crime contra criança ou adolescente ou por violência doméstica. Os senadores analisam o substitutivo da Câmara dos Deputados ao PL 34/2022.

 

 

A alienação parental ocorre quando o pai ou a mãe toma atitudes para colocar a criança ou o adolescente contra o outro genitor. O PL 634/2022 foi apresentado originalmente pelo então senador Ronaldo Caiado (GO) e é relatado pela senadora Rose de Freitas (MDB-ES), que sugere emendas ao texto aprovado pelos deputados. Ela propõe, por exemplo, que o abandono de criança ou adolescente não seja caracterizado como alienação parental.

 

 

Os senadores podem votar ainda o substitutivo da Câmara ao PL 4.491/2021, do senador Sérgio Petecão (PSD-AC). O texto trata da responsabilidade pelo pagamento de perícias médicas realizadas em processos judiciais em que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) figure como parte. De acordo com o projeto, nesses casos, os honorários devem ser pagos pela parte vencida.

 

 

A determinação vale apenas para processos em que se discuta a concessão de benefícios assistenciais à pessoa com deficiência ou de benefícios previdenciários decorrentes de incapacidade laboral. O texto aguarda parecer do senador Nelsinho Trad (PSD-MS).

 

 

O Plenário também pode votar o substitutivo da Câmara (PL 6.554/2019) ao projeto de lei do Senado (PLS) 374/2014, da então senadora Vanessa Grazziotin (AM). A matéria prevê atenção integral à mulher na prevenção dos cânceres do colo uterino, de mama e colorretal.

 

 

O texto original previa a realização de mamografia em mulheres a partir dos 40 anos de idade ou com risco elevado de câncer de mama. Os deputados ampliaram o escopo do projeto para assegurar a realização de mamografia, citopatologia e colonoscopia a todas as mulheres a partir da puberdade. O relator é o senador Marcelo Castro (MDB-PI), favorável ao projeto.

 

 

A pauta prevê ainda a votação de dois projetos de decreto legislativo sobre tratados internacionais. O PDL 406/2019 aprova o Acordo de Cooperação Antártica entre Brasil e Chile, em que os dois países se comprometem com preparação conjunta de projetos científicos e tecnológicos; intercâmbio de informação e de experiências; formação de pessoal; facilitação logística; e desenvolvimento de expedições conjuntas. O relator, senador Plínio Valério (PSDB-AM), defende a aprovação da matéria.

 

 

O PDL 228/2021 aprova um acordo entre Brasil e Israel na área da defesa. Pelo texto, a cooperação se dará nos setores de intercâmbio de tecnologias, treinamento, pesquisa e desenvolvimento, apoio logístico e mobilização. A relatora, senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), é favorável ao texto.

 

 

Fonte: Agência Senado

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
marca-arpen