Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Visões de passado, presente e futuro do CNJ encerram evento comemorativo em Foz

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

“O Conselho Nacional de Justiça do futuro precisa apostar numa segurança pública cidadã, construída a partir da articulação direta e harmônica com os demais atores do Estado. O juiz do futuro é também o juiz do diálogo. O que constrói as decisões, ações e projetos, para atuar nos gargalos da justiça”. A frase foi dita pelo futuro presidente do Conselho, atual vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, no último dia do evento CNJ: Presente, Passado e Futuro, na sexta-feira (19/4). O ministro foi convidado a palestrar sobre o CNJ do futuro, no encerramento do evento que celebrou a história do Conselho.

 

A reforma do Judiciário estava em andamento no Congresso Nacional, quando assumiu, no Ministério da Justiça, o advogado Márcio Thomaz Bastos. Na época, o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, fazia parte da comissão do Executivo que trabalhava na elaboração do texto que, posteriormente, viria a permitir a criação do Conselho Nacional de Justiça. Além de Fachin, também fez parte desse grupo o atual presidente do CNJ, ministro Luís Roberto Barroso. A história foi uma da muitas contadas ao longo dos três dias de evento, que se debruçou sobre a relevância e as mudanças que a criação do CNJ trouxe para a sociedade.

 

Fachin reforçou a necessidade de se trabalhar a prevenção de litígios e avançar na atenção da manutenção dos direitos humanos de maneira coordenada com outros poderes, para que ocorram transformações benéficas na sociedade. O ministro elogiou a atual gestão do presidente Luís Roberto Barroso à frente do órgão e citou como destaque as articulações do ministro para a geração das bolsas de estudo para pessoas negras e indígenas que visam se preparar para os concursos da magistratura.

 

“Como responder agora e doravante aos que tem sede de justiça? A gestão virtuosa do ministro Luís Roberto Barroso já instaurou esse caminho e merece nosso apoio e nosso aplauso. O CNJ do futuro acentuará ainda mais o seu papel de órgão responsável pelas politicas públicas de administração da Justiça, instituição não apenas disciplinar, mas principalmente formadora de projetos consorciados com a justiça de todo Brasil”, afirmou.

 

O ministro Fachin disse, em seu discurso para a plateia formada majoritariamente por magistrados e conselheiros do CNJ, visualizar um CNJ em defesa da magistratura. “Vejo uma magistratura capilarizada e apoiada pelo CNJ para assegurar os direitos humanos e fundamentais das pessoas. O CNJ deve atuar como parceiro dos magistrados e magistradas no enfrentamento do macro desafio de garantir os direitos fundamentais por meio de ações e cooperações. Essa capilaridade deve ser plural, democrática e resiliente para ocupar todos os recantos do país e poder alcançar todas as pessoas que têm, sem exceção, o direito de serem livres e iguais. O Poder Judiciário é do Brasil”, ressaltou, Fachin, que ainda citou como desafios o reforço do republicanismo, da impessoalidade, do respeito, da discrição, da transparência e da accountability do Poder Judiciário.

 

Foram destacados, ainda, alguns pontos relevantes e que em parte, segundo Fachin, já vem sendo tratados pelo Conselho. Entre eles, segurança e acesso à cidadania, foco na eficiência e celeridade na tramitação dos processos, manutenção do acompanhamento do cumprimento das determinações da Corte Interamericana de Direitos Humanos, ética comportamental e fortalecimento das instituições democráticas.

 

Painéis

 

O ministro do STF Dias Toffoli, também presente no evento, relembrou histórias da criação do CNJ e de quando foi o gestor do Conselho, em meio à pandemia de covid-19. Na época, relembrou, magistrados do CNJ entraram em contato com todos os tribunais para saber as dificuldades que enfrentavam. Foram 60 ações voltadas à eficiência, 30 voltadas à transparência e 25 à responsabilidade pública.

 

No painel que rememorou a gestão de Toffoli, o magistrado e ex-conselheiro do CNJ Richard Pae Kim citou o Pacto Nacional pela Primeira Infância, elaborado durante a gestão e que promoveu o diagnóstico e a colaboração interinstitucional pelos direitos das crianças abaixo de 6 anos. “Lembro de um dado que até hoje me causa sofrimento: 40% das crianças vítimas de violência sexual têm entre 1 e 6 anos. Trabalhar nesse combate, nessa violência, foi um dos maiores orgulhos que sinto em minha gestão. Essa era uma área que estava abandonada”, confirmou o ministro.

 

Entre 2020 e 2022, na gestão do ministro Luiz Fux, as transformações digitais promoveram verdadeira revolução no acesso à Justiça. “A tecnologia nos auxiliou muito na pandemia e foi o que manteve o Judiciário todo o tempo acessível”, contou o ex-conselheiro Mário Guerreiro, que citou, entre os feitos da gestão Fux, projetos como Juízo 100% Digital, o Balcão Virtual, a Certidão Nacional de Antecedentes Criminais e a Plataforma Digital do CNJ.

 

Por fim, a gestão da ministra Rosa Weber também foi tema de painel no evento e foi citada pela ex-conselheira Salise Sanchotene, como uma época de evolução administrativa e de aumento na defesa dos direitos humanos.

 

Para Salise, a ministra usou como fio condutor a Constituição Federal, com ênfase nas questões de gênero, raça e etnia, para buscar as melhores formas de acesso à Justiça. Ela deu voz às mulheres trans, indígenas, negras, presas, quilombolas. Queria ouvir e saber como o CNJ poderia ajudar. A magistrada citou diversas resoluções aprovadas no período, como a n. 496/2023, sobre paridade entre mulheres e homens nas bancas de concursos, e a Resolução n. 492, que tornou obrigatório, em toda a magistratura, a adoção do olhar de gênero nos julgamentos em que mulheres estiverem como partes.

 

Ao fim do evento, o presidente do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), desembargador Luiz Fernando Tomasi Keppen, idealizador do encontro, anunciou que as contribuições dos participantes foram marcantes. “Tivemos três dias dedicados a celebração e a análise de um órgão responsável pela função correcional e de elaboração de políticas públicas. Pudemos ter uma visão abrangente marcada pelas contribuições ao judiciário brasileiro que cada ministro e gestão tiveram à frente do CNJ”.

 

Fonte: CNJ

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin